.As lágrimas amargas de Petra von Kant, 1972, Fassbinder

Uma obsessão.

Quem nunca se perdeu numa obsessão?

Petra, uma mulher inteligente, artista, talentosa, confiante, vivida.

Karin, oportunista, dissimulada, uma modelo que comprova a relação de interesse e desamor.

Petra fica cega. Cega de amor, de obsessão no amor. Petra se perde, se deixa perder no amor. No amor que não é amor, na histeria da personificação da amargura.

Karin se aproxima, se aproveita, descaradamente faz de Petra um objeto de uso. O mesmo comportamento que Petra utiliza para tratar Marlene, sua serva que é muda.

Marlene amava Petra que amava Karin que não amava ninguém. Nem as bonecas que Petra e Marlene colecionavam no quarto, onde o filme inteiro se passa, um cenário completamente construído de forma a não perder os ângulos das mulheres que ali ficam. Duas horas e quatro minutos de filme e ele inteiro é gravado no quarto de Petra, onde deveria ocorrer amor, toque ou carícias, reconhecimento entre estas mulheres, mas só acontece dor e suposições de amor.

Petra se adoenta. Se adoenta no amor. Pensa que ama, mas não passa de solidão mal curada, de excesso de desprezo, de prepotência, de desequilíbrio, de drama.

.

.

.

.

Petra passa a viver em função de um sentimento por Karin, que finge gostar dela, se aproveita da casa, da condição financeira de Petra (quantas pessoas não existem assim?!), se aproveita da frágil obsessão de Petra por ela. Ambas mentes doentes.

Marlene não fala uma só palavra ao longo do filme, propositadamente Petra contrata ela, uma pessoa muda. Seu silêncio é agonia praquele que assiste e tem vontade de gritar em nome dela. Praquele que deseja que ela abandone tudo e ganhe a liberdade fora daquela casa e da humilhação. Mas Marlene sequer parece respirar. Só chorar por um outro suposto amor, seu amor por Petra que ama Karin.

As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant (1972) é um drama lésbico dos anos 70, do diretor alemão Fassbinder (1945-1982), que tinha apreço por escrever temas como a solidão, o medo, o desespero, a angústia, a busca pela própria identidade e o amor não correspondido.

Peguei o filme no Filmes Cult, completo e legendado.

Leaver a comment