.La Garçonnière, de Oswald de Andrade

ontem fui ao Estúdio Lâmina com a Ju. havia tempo que não participava de uma festa bacana assim, a festa La Garçonnière. a proposta da Garçonnière é abrigar amigos, artistas e convidados, nas salas do apartamento onde o Estúdio Lâmina atua (um coletivo que reúne artistas residentes de várias partes do Brasil e estrangeiros), para manter e movimentar o mesmo espírito modernista de paradoxo, de fraternidade, de arte&vida, como fez o original idealizador da Garçonnière de 1917 e 1918, o grandiosíssimo Oswald de Andrade. Oswald mantinha um espaço desse como ponto de encontro entre seus amigos e sua amante Maria de Lourdes Pontes, uma jovem estudante de 16 anos, chamada pelo escritor de Miss Cyclone. além dela, a Garçonnière contou com a frequente visita de outros grandiosos – que também recebiam apelidos por Oswald – como Mário de Andrade, Guilherme de Almeida (Guy), Ribeiro Couto, Di Cavalcanti, Monteiro Lobato (Frei Lupus Ancilóstomo), Menotti del Picchia (Paulo), Anita Malfatti, entre outros. lá, eles se reuniam a fim de discutir suas obras, falar de amores, se amarem e enciumarem-se, dançarem, deixar seus manuscritos espalhados pelo apartamento, era um espaço compartilhado de ideias e criações artísticas..

.

.

foi numa dessas reuniões que aconteceu o ensaio do que seria a Semana de Arte Moderna de 1922. e ontem a proposta dos idealizadores era justamente esse compartilhamento de ideias, de lançamentos de colegas, de leituras cênicas de poesia, de performances que denotassem esses paradoxos de se fazer arte. entre uma sala e outra, tive o prazer de trombar com Marcelino Freire (que me apresentou Nossos Ossos, carinhosamente autografado, certa vez, e que me inspirou a dar nome ao site aqui), Marcelo Ariel (que já estudei seus poemas em sala de aula), Reuben, o Cavalo Dadá, e outros queridos do mundo literário.

.

o espaço que era mantido por Oswald ficava a alguns metros do atual espaço onde aconteceu a Garçonnière ontem. o ambiente está bem incrível, parece manter os mesmos ares oswaldianos, e a proposta de reabrir só comprova como São Paulo vem se ampliando com lugares pra intervenções artísticas assim. foi um prazer enorme estar lá..

pra quem desejar saber mais sobre o retiro oswaldiano, achei uma matéria na Folha de São Paulo que tem bastante material. ao que me parece, quando o local foi fechado oficialmente, recolheram materiais de lá e montaram um livro, O Perfeito Cozinheiro das Almas deste Mundo. deem uma olhada, tem coisas interessantes que não couberam aqui no post. 😉

o Estúdio Lâmina fica na Avenida São João, 108, quarto andar, esquina com a Rua Líbero Badaró.

.

.

reproduções de páginas da edição fac-similar de
O Perfeito Cozinheiro das Almas deste Mundo.

.

Leaver a comment