.O Abraço da Serpente, Ciro Guerra

Maíra e eu passeávamos pela Paulista quando decidimos parar para assistir O Abraço da Serpente, no Cinesesc. já havia ouvido bons comentários sobre o filme, não li muito da crítica feita pelos cinéfilos para não ir com meu olhar tendencioso, decidimos ver e depois analisar. o filme é realmente incrível, só um pouquinho cansativo no final, um pouco longo, mas vale muito a pena ver a história de Karamakate, um poderoso xamã da Amazônia, o último sobrevivente de sua tribo. Karamakate possui o conhecimento de uma planta poderosa, a Yakruna, que promove a possibilidade de ensinar a sonhar. Karamakate, por viver muitos anos isoladamente na selva, sem sua tribo, se adapta à solidão, mas perde a capacidade de sentir emoções e memórias. até que um dia, um etnobotânico, americano, encontra-o e propõe de ambos irem atrás da planta, pois ele desejava despertar em si a possibilidade de sonhar. é nesta ida atrás de Yakruna que o filme se passa, mas a todo tempo o passado, presente e futuro se confundem, mesclando junto contextos históricos da catequização de índios na Amazônia e o assunto da exploração do homem branco nas matas.

O Abraço da Serpente é dirigido por Ciro Guerra (1981), jovem diretor colombiano, e foi indicado ao Oscar deste ano como melhor filme estrangeiro.

Leaver a comment